Bebidas alcoólicas e amamentação

image01

Tomar vinho, cerveja ou outra bebida alcoólica prejudica o leite?

Isso depende de o quanto se bebe, e de quando se bebe. Os níveis de álcool no sangue (e no leite) geralmente ficam alterados mais de uma a uma hora e meia depois do último drinque, embora esse tempo (assim como o tempo que leva para o álcool se dissipar do sangue) varie de pessoa para pessoa.

Assim como acontecia na gravidez, a ciência não tem como estabelecer níveis seguros para o consumo de álcool sem prejudicar o bebê. Por isso muitos especialistas recomendam que a mulher evite mesmo as bebidas alcoólicas, principalmente as destiladas (de maior teor alcoólico), como pinga, vodca, uísque etc., e em especial se o bebê ainda só mamar no peito.

Um gole de cerveja ou vinho de vez em quando não parece fazer mal ao bebê ou interferir na produção do leite a longo prazo. Mas um estudo apontou que crianças expostas regularmente (todos os dias) ao álcool através da amamentação nos primeiros três meses de vida têm uma leve, mas significativa, demora no desenvolvimento motor, embora outra pesquisa não tenha confirmado tal efeito.

O que os estudos mostram de fato é que um bebê cuja mãe consumiu álcool recentemente acaba tomando menos leite. Grande consumo de álcool também pode deixar o bebê mole ou sonolento, algo que interfere em sua capacidade de sucção. Nos bebês que sofrem de refluxo, pode aumentar o risco de regurgitação.

Outra consequência da bebida, mesmo em doses moderadas, é que ela pode atrapalhar a "descida" do leite. Já as doses maiores podem fazer com que a mãe não consiga cuidar direito do próprio filho.

Se for beber, espere pelo menos duas horas por drinque consumido (150 ml de vinho ou uma lata de cerveja, por exemplo) antes de amamentar, para dar uma chance de o álcool se diluir. O melhor a fazer é beber bastante água nesse intervalo.

É verdade que um copo de cerveja por dia aumenta a produção de leite?

Não há dados científicos que provem essa crença popular de que aumenta a produção ou melhora a qualidade do leite, segundo Julie Mennella, pesquisadora do Monell Chemical Senses Center, nos Estados Unidos. A verdade é que não existem pesquisas sérias nessa área.

O mais provável é que a única contribuição seja a ingestão de líquido. Há quem diga que a cerveja, assim como o alho, dá um gosto diferente ao leite, que agradaria ao recém-nascido, mas isso não passa de especulação.

No fim do século 19, uma famosa cervejaria norte-americana fazia propaganda de que um determinado tipo de cerveja funcionava como "tônico" para as mulheres nutrizes, mas o que os cientistas sabem de fato é que uma alimentação balanceada, e não a cevada contida na bebida, é que é a chave para uma boa produção de leite.

Embora os cientistas tenham descoberto que a cerveja aumenta os níveis de um hormônio necessário para a produção de leite, eles ainda não comprovaram que a cerveja em si ajude. Na dúvida, a cerveja sem álcool teria essa mesma propriedade, e é uma alternativa melhor para as mães que amamentam.